Máscaras

Máscaras de mergulho

A actividade do mergulho, quer seja de nível recreativo ou técnico, possui diversos acessórios indispensáveis à sua prática. A máscara de mergulho é certamente um dos mais importantes, senão o mais importante acessório desta actividade.

Mas o que torna a sua utilização tão importante e indispensável?

Certamente que já experimentou abrir os olhos debaixo de água! E o que vê? Muito pouco. Correcto? É que o olho humano não consegue adaptar a sua visão ao meio subaquático, da mesma forma que o faz na atmosfera. Desta forma, quando abrimos os olhos debaixo de água, a nossa visão surge desfocada e distorcida.

 

A máscara de mergulho devolve-nos precisamente uma visão nítida do meio subaquático, porque cria um espaço interno com ar entre os olhos e a água. Outro efeito curioso da visão debaixo de água é o aumento, em cerca de 25%, e a aproximação até 2/3 dos objectos do que é a sua realidade. Este efeito é conhecido como refracção e surge devido à passagem de um meio menos denso, para um mais denso.

Como deverá então escolher a sua máscara?

Existem diversos modelos de máscaras disponíveis, de diversas marcas formas e feitios, no entanto é importante conhecer as componentes básicas de uma máscara. A máscara é composta pela(s) lente(s), corpo e tira, conforme poderá verificar na imagem 1.

 

A lente deverá ser obrigatoriamente de vidro temperado, de modo a evitar que, caso haja algum incidente, o vidro não estilhace. Existem lentes de vidro único, lentes separadas e ainda existem modelos com lentes laterais. A diferença traduz-se no maior ou menor ângulo de visão periférica. No caso de sofrer de miopia existem alguns modelos que permitem a adaptação das lentes à sua graduação, a um preço razoável.

 

O corpo da máscara pode ser em borracha ou silicone, estando estes disponíveis em diversas cores. É indispensável que o corpo da máscara permita a manobra de Valsalva, que consiste na compensação da pressão que a água exerce no ouvido médio.

 

O espaço interno da máscara mais adequado está sujeito à finalidade da máscara. Basicamente existem três medidas de espaço interno: pequeno, médio e grande. As máscaras com pequeno espaço interno, no geral, são aconselhadas para os praticantes de caça submarina, pois para além de se tornar mais fácil realizar a equalização, oferece menor incidência de luz. As máscaras com volume interno médio são geralmente utilizadas pela maior parte dos mergulhadores recreativos e técnicos. As máscaras com volume interno grande são, na sua maioria, utilizadas para actividades de fotografia subaquática.

 

As precintas da máscara devem ser bastante confortáveis, resistentes e devem possibilitar um ajuste fácil. É aconselhável levar sempre consigo uma precinta de substituição, uma vez que com a utilização frequente a precinta pode danificar-se.

 

Para escolher a máscara que melhor se adequa, a forma mais segura de a testar é colocá-la na cara sem a precinta de aperto. De seguida, inspire um pouco de ar e veja se a máscara não cai do rosto. Se não cair significa que encontrou a máscara ideal para si. Em caso contrário experimente outros modelos, até encontrar um que se adapte perfeitamente ao seu rosto.